Voltar
Ler mais tarde

Bitcoin Vale a Pena? Como Investir em Bitcoin em 2020?

Sigla

BTC (₿)

Rating FCAS

A

Algoritmo

Proof-of-work

Minerável

Sim

Onde Comprar

eToro e Coinbase

eToro
✓ Compra e Venda
✓ 16 Criptomoedas
✓ Demo Grátis

Depois de um percurso repleto de altos e de baixos, muitos se questionam: 

Vale a pena investir em Bitcoin?

É uma dúvida perfeitamente normal, pois não existem investimentos 100% seguros. E mesmo que existissem, certamente não seria o Bitcoin, devido à volatilidade do seu preço!

O que leva então ao interesse gerado por essa moeda?

Será a tecnologia por trás dela, conhecida como blockchain? Ou o potencial de gerar lucros extraordinários?

Neste artigo reunimos informações que lhe ajudarão a decidir se deve ou não investir em Bitcoin e como poderá fazer isso. O nosso objetivo é muni-lo de ferramentas para que possa tomar uma decisão bem informada sobre esse investimento.

1. O Que É Bitcoin?

O Bitcoin (BTC) foi a primeira criptomoeda criada, tendo sido concebida em 2008. Hoje, apesar de existirem inúmeras outras moedas, ela continua a ter um forte domínio no mercado.

O nome Bitcoin surgiu pela primeira vez em 2008, quando foi feito o registro do domínio “bitcoin.org”. No início de 2009 nasceu verdadeiramente o primeiro Bitcoin, minerado pelo seu mítico criador Satoshi Nakamoto.

Quem é Satoshi Nakamoto?

Apesar das várias teorias, a resposta é simples: ninguém sabe!

Satoshi Nakamoto
Satoshi Nakamoto é o suposto nome do criador do Bitcoin, que ninguém sabem quem é.

Ninguém sabe sequer se é uma única pessoa (homem ou mulher), um grupo de pessoas ou uma entidade.

Existem várias teorias a respeito do assunto, mas até hoje ninguém conseguiu provar a identidade de Satoshi Nakamoto.

A maior herança dessa desconhecida personalidade são as suas invenções e a documentação que as acompanhou.

O nascimento do Bitcoin trouxe outra inovação inédita, considerada por muitos a grande obra-prima de Satoshi: a blockchain – uma base de dados descentralizada, como veremos mais à frente.

2. O Contexto Histórico do Bitcoin

Olhar para as circunstâncias do nascimento do Bitcoin permite-nos compreender a visão que levou ao nascimento dessa criptomoeda ambiciosa!

As origens da BTC nos fazem voltar ao tempo em que a crise econômica mundial de 2008 impactou o mundo todo com consequências devastadoras.

Na época o Brasil vivia sob o Governo de Luiz Inácio Lula da Silva, que chamou a crise de uma “marolinha”. O que eventualmente se provou ser um grande tsunami!

Uma das grandes razões que motivou o aparecimento dessa crise foi uma gestão financeira ruim por parte de grandes instituições bancárias.

Juntamente com os Governos elas são responsáveis por controlar as variáveis que formam o cockpit da economia global.

bitcoin economia global - vale a pena investir?

Um sentimento generalizado de que teria de existir um sistema diferente, independente dos poderes instalados, motivou em grande parte o aparecimento da primeira criptomoeda.

As novidades trazidas pelo Bitcoin foram absolutamente revolucionárias!

Tanto é que ainda hoje países e grandes empresas tentam descobrir como se aproveitarem de todo o seu potencial, já reconhecido por grandes especialistas do setor tecnológico.

O Bitcoin é um feito tecnológico incrível.”

Bill Gates, co-fundador da Microsoft

Até a data do nascimento do Bitcoin, a economia mundial girava exclusivamente em torno do dinheiro governamental – também designado como dinheiro Fiat (ex: Euro, Dólar, Libra, Real, etc).

Dinheiro fiat versus bitcoin

Em relação aos valores centrais de ambas, o dinheiro Fiat tem características que divergem fortemente das que Nakamoto propôs para o Bitcoin:

  • Dinheiro fiat é centralizado: todas as transações são registradas e armazenadas pelos bancos ou pelos Estados – existe pouca privacidade;
  • Tem um perigo moral: a concentração do poder está muitas vezes relacionada com a corrupção.

Obviamente também existem semelhanças entre as criptomoedas e o dinheiro governamental. A principal é que tanto um como o outro representam uma forma de reserva e de transferência de valor.

3. Como Funciona Bitcoin?

Os pontos negativos das moedas governamentais motivaram Satoshi a criar uma criptomoeda cujas transações acontecessem de uma forma direta entre os envolvidos, ou seja: P2P ou Peer to peer.

O que isso quer dizer?

Todas as transações feitas com Bitcoin podem ser feitas sem a necessidade de uma autoridade exterior que supervisione tudo o que acontece para garantir um bom funcionamento.

Em vez disso, existe uma rede responsável pelo armazenamento de todos os registros, descentralizada e não manipulável, a qual foi dada o nome de blockchain.

3.1 Bitcoin, a moeda descentralizada

Para facilitar a compreensão, usamos uma analogia simples: pode pensar que a blockchain está para o Bitcoin como as estradas estão para os carros.

É graças à blockchain que o Bitcoin é a primeira moeda descentralizada – ou seja, que não depende de nenhuma entidade central para garantir sua integridade como meio de reserva ou como transação de valor.

Tipos de Redes - Centralizada, Descentralizada e Distribuída
Diferentes tipos de redes.

O Bitcoin não é controlada por bancos ou por governos. Esse controle é feito pela blockchain, a rede responsável pelo seu funcionamento, cuja manutenção é assegurada pelos próprios usuários.

A gestão da blockchain é feita de acordo com fundamentos científicos dos campos da informática, da economia, da matemática e da criptografia.

Como tal, ao contrário do dinheiro, não é possível criar mais Bitcoins além daqueles que estão programados para existir.

Hoje em dia já estão em circulação mais de 18.000.000 BTC. O máximo de Bitcoins que alguma vez poderá existir são 21.000.000 BTC – um número que será atingido no ano 2140! A criação de novas Bitcoins é obtida por meio de um processo conhecido como mineração.

  • Curiosidade: o fato de o número de Bitcoins ser limitado faz com que, teoricamente, o seu valor venha a ser cada vez maior – assumindo que a procura também aumente.

3.2 Segurança e Transparência

A blockchain permite aos utilizadores da tecnologia fazerem transações entre si, sem que essas sejam registradas por qualquer entidade.

Suponha que a Ana tenha 4 BTC e o João tenha 1 BTC. Essa informação está guardada na blockchain.

Se a Ana transferir 1 BTC para o João, por matemática simples sabemos que:

  • A Ana fica com 3 BTC;
  • O João fica com 2 BTC.

Tanto a informação das transferências como do saldo de ambos será atualizada de forma sincronizada em todos os arquivos da rede. Essa atualização é feita em todos os registros, armazenados em todos os dispositivos da blockchain do Bitcoin.

Isso é revolucionário porque, sem qualquer supervisão de uma entidade central, temos a certeza de que a Ana ou o João não conseguem falsificar os dados das transações para benefício próprio.

Agora você pode estar pensando: “E a segurança e a transparência?

A blockchain garante essas características para todas as transações a partir do momento em que ficam registradas exatamente nos mesmos parâmetros em todos os arquivos (blocos) da rede.

Blockchain em funcionamento

Quando existe alguma incoerência entre os arquivos, então a transação é rejeitada. É a democracia financeira no seu estado mais puro!

A blockchain aplicada ao Bitcoin é quase como um livro de contabilidade gigante em que todos podem participar.

Existem ainda outros fatores que contribuem para a popularidade dessa criptomoeda, tais como:

  • A facilidade de realizar transações entre fronteiras a baixo custo e com rapidez, independentemente do valor transacionado;
  • O fato de poder servir como uma reserva de valor digital (como se fosse uma espécie de ouro digital).

Por último, note que as transações de Bitcoin não são reversíveis! Como não são controladas por nenhuma entidade central, uma vez feita, é impossível modificar uma transação.

Pode parecer uma desvantagem, mas graças a isso é impossível adulterar qualquer transação na rede, tornando o mecanismo seguro e confiável.

4. Valor do Bitcoin

4.1 Quanto vale 1 Bitcoin?

O Bitcoin não tem um valor fixo. Na verdade, 1 Bitcoin vale… 1 Bitcoin.

O seu valor em relação a outras moedas é determinado pelo equilíbrio entre a procura e a oferta que há para a moeda (lei da oferta e da procura).

lei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procura.

Essa diferenciação entre os conceitos de preço e de valor pode não ser intuitiva em uma fase inicial. Porém está presente na cabeça de todos os investidores de sucesso…

“O preço é o que você paga. O valor é aquilo com que fica.”

Warren Buffett, bilionário e filantropo americano

Ou seja, quanto mais pessoas houver interessadas em comprar BTC, maior será o seu preço – assumindo que se mantenha o número de pessoas interessadas em vender.

Por outro lado, caso haja mais pessoas interessadas em vender do que em comprar, então o seu preço tenderá a diminuir.

Isso faz com que, ao longo dos tempos, o valor do Bitcoin tenha variado entre frações de centavos e milhares de Dólares.

4.2 Histórico do valor

valor do bitcoin
Evolução do valor do Bitcoin (2013 a 2020). Fonte: CoinMarketCap.

Existe claramente um padrão ao longo do tempo, caracterizado por subidas fortes e, em seguida, por descidas. Essas descidas são as chamadas “correções” do preço.

Essas correções acontecem em todos os mercados quando o preço de um ativo financeiro sobe muito em um curto prazo de tempo.

O Bitcoin, tal como a generalidade das criptomoedas, é muito volátil. É por isso que o seu preço registra grandes variações ao longo do tempo.

A última grande correção no preço do Bitcoin aconteceu durante o ano de 2018. Depois de ter tocado os US$ 20.000 em Dezembro de 2017, desceu até os US$ 3.000 em Dezembro de 2018.

Uma coisa é certa: a única coisa relacionada com criptomoedas mais volátil do que o seu preço é a opinião das pessoas sobre elas.

FUD,  Fear, Uncertainty and Doubt (Medo, Incerteza e Dúvida)
FUD = Fear, Uncertainty and Doubt (Medo, Incerteza e Dúvida).

Em alturas em que o preço do Bitcoin está em queda, certamente o que irá ouvir é algo tipo “Bitcoin está morta, é uma bolha econômica!”.

Assim que o preço volta a subir e a atingir novos valores históricos, a opinião pública rapidamente troca o disco e toca algo como “tem rendido muito; é um excelente investimento; vai ser o futuro”.

4.3 Evolução do valor do Bitcoin em 2020

O ano de 2019 foi de recuperação para o mercado de criptomoedas e para o Bitcoin em particular.

Depois de começar o ano valendo cerca de US$ 3.700, o Bitcoin fechou 2019 rondando os US$ 7.200.

Ou seja, uma subida de aproximadamente 92%, quase duplicando de valor no espaço de um ano.

valor do bitcoin 2020
Evolução do preço do Bitcoin em 2019/2020. Fonte: CoinMarketCap.

E em 2020?

Bem, o ano começou da melhor forma para o Bitcoin, que chegou a valorizar mais de 30% e a ultrapassar os US$ 10.000 (cerca de R$ 5.000).

No entanto, a epidemia do novo coronavírus (Covid-19) abalou a Economia mundial, fazendo os mercados de todo o mundo perderem bilhões de Reais… e o Bitcoin não foi diferente.

A principal criptomoeda acabou por ser atingida também, perdendo mais de metade do seu valor, para um mínimo próximo dos US$ 4.600.

E agora?

As consequências do novo coronavírus são imprevisíveis, mas uma coisa é certa: o Bitcoin está desvalorizado. A opinião foi até partilhada recentemente por Edward Snowden no seu Twitter.


O antigo administrador de sistemas da CIA acredita que a queda do Bitcoin foi motivada apenas por pânico, não havendo um motivo estrutural para justificar o novo preço.

A descida do preço do Bitcoin significa também que volta a existir uma janela de oportunidade para muitos investidores.

Ou seja:

A descida do preço do Bitcoin pode ser vista como uma oportunidade para comprar a criptomoeda em saldos, para mais tarde se beneficiar de uma nova subida do preço.

Lembre-se: o objetivo é sempre comprar a baixo valor e vender a um valor mais alto, de forma a maximizar lucros.

4.4 Aprender com o passado

Vamos utilizar o exemplo da Internet.

Quando essa tecnologia – na época igualmente revolucionária – estava nos seus primórdios também passou por uma grande fase de bolha econômica, conhecida como a Bolha Dot-Com.

Mais tarde, como se sabe, a Internet tornou-se indispensável nas nossas vidas, criando modelos de negócios e inúmeras outras coisas que não se imaginava 20 anos atrás.

A Amazon, que dispensa apresentações, é um dos exemplos de empresas que esteve presente durante essa bolha e manteve-se em pé até hoje. É curioso olharmos para o gráfico do preço das suas ações na imagem abaixo.

Bitcoin - Preço ações amazon na bolha dot-com até hoje
Preço das ações da Amazon durante a “Bolha Dot-Com”.

É uma análise interessante de se fazer, principalmente porque tal como a Internet foi no ano 2000, a blockchain e o Bitcoin são tecnologias emergentes com bastante potencial nos dias de hoje.

Contudo não podemos confiar cegamente que comportamentos do passado se repetirão no presente, pois muitas circunstâncias são diferentes.

5. Por que Investir em Bitcoin?

Quando se investe em Bitcoin, investe-se não só na criptomoeda, mas também na ideologia.

O Bitcoin abre portas a uma economia descentralizada que pode vir a alterar a nossa civilização e a maneira como ela interage consigo mesma.

Voltemos ao exemplo da Internet:

Se recuarmos aos anos 90, à época da invenção da Internet como hoje a conhecemos (a World Wide Web), quem investia nos negócios que apareciam nessa altura investia na hipótese de, no futuro, o comércio poder ser feito à distância. Isso criaria possibilidades que naquela altura nem se imaginava que viriam a se concretizar.

Com o Bitcoin acaba por ser semelhante. É no benefício potencial que está o ganho, mas também o risco.

5.1 Lucros potenciais

Bitcoin Whale
Quem investiu em Bitcoin nos seus primórdios hoje em dia poderá bem ser uma whale.

Claro que a valorização do preço do Bitcoin ao longo desses últimos anos atrai muita atenção de quem procura entrar nesse barco só para enriquecer.

Verdadeiramente espantoso é que muitos realmente têm conseguido lucrar nesse mercado!

Como?

Graças às flutuações do preço das criptomoedas que, em média, têm subido ao longo dos últimos anos!

Ou seja: quem investiu US$ 100 em Bitcoin em 2008 (quando uma BTC valia centavos), hoje em dia verá esse investimento valer milhões de Dólares – caso ainda não tenha vendido.

A matemática é simples de compreender:

1. Investe-se US$ 100 em BTC quando a criptomoeda vale US$ 0,10 – em 2008;
2. Consegue-se com isso comprar 1.000 BTC;
3. Em 2019: 1 BTC = US$ 9.000;
4. No fim das contas fica-se com US$ 9.000 x 1.000 BTC = US$ 9.000.000, quase 40 Milhões de Reais!

  • Nota: essas contas são feitas para um investimento em criptomoedas ao longo de 10 anos, que correspondem a um período de tempo em que o mercado cresceu bastante.

Por esse motivo, é muito útil olhar para o comportamento do preço da BTC ao longo dos anos, para nos ajudar a encontrar padrões – e de fato perceber se vale a pena investir em Bitcoin.

5.2 Devo Investir em Bitcoin?

Nenhum investimento é seguro. Todos têm riscos e ninguém pode lhe garantir nada!

Particularmente no mercado da BTC e de outras criptomoedas, já demonstramos que as variações de preço são bastante voláteis.


Se em um dia investir US$ 100, corre o risco de após uma semana verificar que o Bitcoin desvalorizou e que o seu investimento foi reduzido para US$ 50.

Mas a tendência que se verifica historicamente é que, a longo prazo, os investidores que são pacientes são os mais recompensados.

É possível que um ano depois te ter investido, o seu capital tenha aumentado para US$ 500.

Se com isso em mente se sentir confortável em investir em Bitcoin, não há razão para não o fazer.

No entanto é importante que se mantenha informado sobre o preço e sobre o mercado em geral, particularmente para identificar padrões e tendências de preço, e com isso escolher momentos oportunos de entrada.

Isso vai ajudar a fazer valer a pena o seu investimento em Bitcoin ou em qualquer outra criptomoeda.

Aqui no Criptofy encontra artigos úteis sobre tópicos importantes relacionados a criptomoedas e a ferramentas de investimento. Mas existem outras boas fontes de informação, como o CryptoPanic ou o Reddit, que reúnem as notícias mais relevantes sobre o mercado.

6. Onde Comprar Bitcoin

Hoje em dia existem diversas opções que simplificam o processo de investimento em Bitcoin e em outras criptomoedas.

Plataformas de investimento online como a eToro fornecem excelentes ferramentas chamadas CFDs.

Além disso, com CFDs você pode lucrar tanto com as subidas como com as descidas do preço das criptomoedas, ao contrário de outras opções. Esse é dos poucos tipos de instrumentos financeiros que permite isso.

eToro

✓ Permite Copiar Outros Traders
✓ 16 Criptomoedas
✓ Conta Demonstração Grátis  

Ao investir por meio da eToro descarta-se a necessidade de configurar carteiras virtuais (wallets), e o processo de compra e venda de Bitcoin é também bastante simplificado.

Se esses entraves técnicos não lhe desmotivarem, pode optar por comprar BTC diretamente em uma exchange como o Mercado Bitcoin, sendo que nesse caso ficará mesmo na posse da criptomoeda.

7. Utilizar Bitcoin no Brasil

Atualmente já pode pagar com BTC no Brasil em mais de 300 estabelecimentos. Desde papelarias e lojas de informática a restaurantes e hotéis. Consulte as lojas aderentes em Coinmap.org.

Selo de aceitação de Bitcoins
Selo de aceitação de Bitcoins.

No caso de utilizar a Coinbase, eventualmente poderá fazer pagamentos e saques em qualquer local usando o cartão Coinbase. Em alguns países ele já funciona como um cartão normal, convertendo as criptomoedas no momento do pagamento.

Quanto a impostos, o Bitcoin e as criptomoedas são uma temática ainda em aberto na Legislação brasileira. Elas não estão sujeitas à regulação e ao enquadramento legal atualmente, portanto não pagam impostos.

8. Conclusão

A resposta à pergunta que motiva este artigo não é nada óbvia. Sendo que, em última análise, vai depender de cada um decidir se esse é um investimento que está disposto a fazer e se aceita o risco.

Em resumo, podemos destacar alguns pontos:

  • Resiliência: O Bitcoin já mostrou, por várias vezes, ser capaz de se recuperar das suas quedas. No entanto é crucial investir na altura certa para conseguir rendimento;
  • Reserva de valor: Entre todas as criptomoedas, e sem contar com as stablecoins, é a que tem se mostrado mais capaz de funcionar como reserva de valor;
  • Baixa circulação: Por ser uma criptomoeda com uma baixa circulação – nunca existirão mais de 21 milhões de BTC -, tende a se tornar um ativo mais raro e desejado, o que aumenta a procura e o preço.

De qualquer forma, considere sempre a velha máxima:

Sobre o Bitcoin, ainda vale a pena considerar:

  • Rapidez das transações: É menor do que as transações com Visa, mas já está em desenvolvimento uma tecnologia que possa contornar essa situação, chamada de Lightning Network;
  • ETFs de Bitcoin: A negociação do Bitcoin em Wall Street é um tema delicado, uma vez que seus mercados representam o oposto da moralidade que motivou o Bitcoin. Por outro lado a sua aceitação poderia iniciar uma próxima subida de preço da moeda. Atualmente o Bitcoin já está a ser negociada na Bakkt, a plataforma institucional da ICE – Intercontinental Exchange;
  • Concorrência: Atualmente há um vasto leque de criptomoedas que concorrem com a criptomoeda-mãe no que diz respeito à rapidez das transações e aos custos associados (ex: BTC Cash; Ripple, etc.).

Bitcoin (BTC)

✓ Principal Criptomoeda
✓ Minerável
✓ Baixa circulação

Dúvidas Frequentes

📌 Vale a pena investir em Bitcoin?

Ninguém sabe ao certo até quanto o Bitcoin pode valorizar. Muitos investidores acreditam que ainda estamos no começo de uma revolução financeira. Seja como for, quer seja pela tecnologia, ou pelo lucro potencial, o Bitcoin é um ativo financeiro cada vez mais relevante, até para diversificar portfólios.

📌 O Bitcoin vai acabar?

O criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, definiu que não poderão existir mais do que 21 milhões de BTC, sendo que o último será minerado em 2140. Ou seja, não vão acabar, mas vão deixar de entrar novos Bitcoins no mercado, o que fará com que seja um bem mais raro e, por isso, mais valioso.

📌 O Bitcoin é legal no Brasil?

Embora não esteja contemplada na lei brasileira, por uma questão de não oposição, as trocas e pagamentos com Bitcoin no Brasil são permitidas. Por outro lado, a China, por exemplo, embora mais recentemente tenha promovido a tecnologia blockchain, várias vezes já dificultou o funcionamento das criptomoedas no passado.

📌 Quanto vale 1 Bitcoin?

O preço do Bitcoin é definido, majoritariamente, pela Lei da Oferta e da Procura. Ou seja, o Bitcoin nunca tem um preço fixo, podendo variar de acordo com o apetite dos investidores. E, devido à volatilidade das criptomoedas, varia muito. No seu máximo, já chegou a valer quase US$ 20.000!

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *