Como Investir em Ouro no Brasil? Vale a Pena Em 2020?

Como Investir em Ouro no Brasil? Vale a Pena Em 2020?

Se lhe perguntarmos qual é o principal ativo de refúgio, qual é o primeiro que lhe vem à cabeça?

Talvez tenha pensado no ouro… E não é de se admirar. Há séculos que o metal dourado é visto como um porto seguro.

Provavelmente conhece alguém que tem uma pequena reserva de ouro em casa ou que já ofereceu ouro a um familiar como um gesto simbólico. Isso acontece porque reconhecemos valor nessa matéria-prima.

Mas e se estiver apenas pensando em investir em ouro? Qual a melhor forma de o fazer? Comprar uma barra de ouro ou investir em um fundo de investimento? Qual é a forma mais provável de conseguir um retorno?

Neste artigo damos a resposta a essas perguntas e explicamos quais as melhores formas de investir em ouro nos dias atuais. Fique sabendo por que pode ser importante ter ouro no seu portfólio e quais os riscos desse ativo.

Se você já conhece os pontos fortes e fracos do ouro enquanto investimento e quer apenas saber como investir em ouro, pode saltar já para o
ponto 2.

Vantagens
  • Reserva de Valor
  • Ativo de Refúgio
  • Baixa Volatilidade
  • Proteção Contra Inflação
  • Várias Opções de Investimento
Desvantagens
  • Baixos Retornos
  • Acumulação Crescente

1. Por que É o Ouro Valioso?

É seguro dizer que nenhum outro metal teve um papel tão relevante na história da humanidade. O culto do ouro está enraizado na sociedade há muito tempo.

As primeiras evidências da interação humana com o ouro datam de 3.000 anos a.C., pelos egípcios, que o utilizavam na construção de pirâmides e na elaboração de artefatos para idolatrar seus faraós.

Ouro Tutancâmon
A máscara funerária de Tutancâmon é feita em ouro puro e pesa 11kg.

Mas mais interessante do que o uso do ouro para fins ornamentais é que já na altura os egípcios foram responsáveis pelo primeiro rácio entre os valores do ouro e da prata: 1 parte de ouro equivalia a 2,5 partes de prata.

Isso mostra que, já então, o ouro tinha um valor superior ao da prata, algo que perdurou durante a história. Desde a Grécia antiga até as civilizações incas e astecas o ouro sempre foi visto como um bem valioso, utilizado para distinguir as classes mais altas das restantes.

No Brasil, a história desse metal precioso está inevitavelmente associada à Corrida do Ouro do século XVII, época de grande exploração do ouro brasileiro por parte dos portugueses.

Mas a importância do ouro vai muito além do valor financeiro que pode ser atribuído a ele. É por ser um símbolo de riqueza e de segurança que, ao longo da história, teve vários usos também na definição de sistemas monetários, chegando a ser usado como moeda de troca.

Foi o que aconteceu no final do século XVII, quando os Estados Unidos (e depois outros países) aplicaram o chamado o Padrão-ouro (em inglês, Gold Standard), fixando o valor do ouro em uma determinada quantia em Dólares, permitindo que moedas de ouro circulassem na Economia juntamente com moedas de outros metais.

DICA 💡
Generic

É por isso que muitos colecionadores ainda gostam de adquirir moedas antigas avulso – nunca se sabe quando pode aparecer uma moeda de ouro.

Os Estados Unidos abandonariam qualquer conexão entre o dólar e o preço do ouro em 1971. Com a Guerra do Vietnã, o valor do ouro disparou (algo comum em períodos de incerteza) e tornou-se ilegal ter uma moeda associada ao metal dourado.

É por esse motivo que a maioria dos gráficos da evolução do preço do ouro só registram dados a partir dos anos 70. Antes o preço do ouro era relativamente mais estável.

como investir em ouro - gráfico evolução
Evolução do preço de uma onça de ouro (US$) desde que há registro. Fonte: GoldPrice

O ouro tem uma história tão rica quanto o seu valor. O seu uso ao longo da história da humanidade é a prova do valor desse metal precioso.

A explicação para o valor do ouro é, em parte, irracional. É um culto profundamente enraizado em nossa sociedade. Ou seja: parte do seu valor está na experiência de cada um.

É por isso que ouro tem valor há milhares de anos e é muito provável que continue a ter no futuro.

2. Como Investir em Ouro?

Graças ao aparecimento de novas plataformas digitais de investimento, hoje em dia é muito fácil investir em ouro.

É claro que pode investir em ouro até comprando uma barra ou uma joia, mas se acha que essas são as melhores opções, está enganado, pois geralmente são muito caras e pouco práticas.

Começamos por uma forma cada vez mais popular e, imagine, nem precisa sair de casa para a aplicar!

2.1 Fundos de investimento / ETFs de ouro

Um ETF (Exchange-Traded Fund) é um fundo de investimento admitido à negociação em bolsa e que pode ser adquirido em uma corretora, tal como as ações.

O surgimento de ETFs de ouro veio para mudar esse tipo de investimentos, tornando-os muito mais práticos e acessíveis!

Assim você pode facilmente investir em ouro com comodidade e sem se preocupar com taxas de armazenamento.

Um fundo de investimento pode ser composto por diversos ativos dos mais variados setores. Ao comprar um ETF, você fica exposto aos ativos em que esse fundo investe.

Os ETFs são cada vez mais populares precisamente porque permitem aos investidores participarem em um conjunto de vários ativos fazendo um único investimento. Geralmente isso significa que, com menos recursos, você conseguirá uma diversificação maior.

Melhores ETFs de ouro

No caso do ouro, os ETFs tipicamente dividem-se em dois grupos:

  • Investimentos apenas em ouro;
  • Investimentos também em empresas de mineração de ouro.

O SPDR Gold Shares foi o primeiro fundo com reservas próprias de ouro a surgir nos Estados Unidos e está cotado na Bolsa de Nova Iorque. Esse fundo tem mais de 740 toneladas de ouro físico nos seus cofres, nos armazéns londrinos do HSBC.

Para ter uma ideia clara, esse fundo detém 11 vezes mais ouro que o Brasil!

Ao comprar unidades de um fundo como esse você está investindo em uma parte do ouro acumulado. O valor desse ouro acompanha diretamente o movimento do metal nos mercados.

Se quiser investir no SPDR Gold Shares, você pode fazê-lo em uma plataforma online como a eToro, que tem a vantagem de simplificar os investimentos e de lhe disponibilizar ainda outros ETFs e ativos, como ações, Forex ou Bitcoin.

Outros ETFs populares, como vimos, são os ligados às empresas de mineração. Tal como a tabela abaixo demonstra, embora sejam mais recentes, têm dado retornos maiores.

No entanto, em dimensão, nenhum bate o portfólio de ativos gerido pelo SPDR Gold Shares, o que diz muito sobre a força desse fundo.

ETFAtivos GeridosRetorno Médio (3 Anos)
SPDR Gold TrustUS$ 29,7 Bilhões4.6%
iShares Gold TrustUS$ 10,8 Bilhões5%
Van Eck Vectors Gold MinersUS$ 9,22 Bilhões22.7%
Van Eck Vectors Junior Gold MinersUS$ 4,64 Bilhões38%

Tal como o SPDR Gold Shares, todos os ETFs acima estão disponíveis na eToro. Essa plataforma é uma das melhores opções para esse tipo de investimentos, pois tem uma política sem comissões em investimentos em ações e ETFs, o que a torna uma opção a considerar para quem quer negociar ouro nos mercados internacionais.

2.2 Barra de ouro

Outra opção popular, e certamente a mais antiga, é comprar uma barra de ouro. No entanto é uma forma muito menos prática.

Em primeiro lugar você deve encontrar uma instituição financeira autorizada pelo Banco Central e pela CVM a vender ouro em formato físico a pessoas singulares. Um exemplo é a Ourominas. Depois terá de fazer um registro na instituição e, caso queira investir mais de R$ 10.000, comprovar a sua renda.

Uma vez comprado o ouro, deverá encontrar um banco para lhe guardar o metal, sendo que é aplicada uma taxa de custódia mensal que pode variar entre 0,07% e 0,15%. A alternativa é guardá-lo em casa.

Comprar barra de ouro
Comprar uma barra de ouro pode ser menos lucrativo.

O problema de comprar ouro dessa forma é que, devido às comissões que paga, quando acaba de comprar já está perdendo dinheiro, e em muitos casos não é pouco.

Depois temos outro problema:

  • Se guardar o ouro no banco, terá de pagar uma custódia, mas o ativo fica em segurança e terá maior facilidade em vender;
  • Se guardar o ouro em casa, não paga a custódia ao banco, mas tem menos segurança e maior dificuldade em vender.

Vale a pena referir ainda que, em qualquer uma dessas soluções, terá sempre menos liquidez na hora de vender do que se tiver um ETF, já que, nesse caso, tem compradores em todo o momento no mundo inteiro.

Por outro lado, se gosta de “sentir” a sua riqueza, comprar uma barra de ouro é a forma mais direta de o fazer.

2.3 CFDs de Ouro

Os CFDs (Contracts for Difference), em português “Contratos por Diferença”, são instrumentos associados ao preço de um ativo. Você não detém diretamente o ouro, mas tem direitos sobre a variação do seu preço.

Uma das vantagens dos CFDs é que você não depende exclusivamente da subida do preço de um ativo para lucrar com ele. Se você achar que o preço vai cair, então poderá negociar com base nesse pressuposto e lucrar com a descida do preço do ouro.

Onde investir em CFDs de ouro?

Uma corretora que recomendamos para a compra de CFDs é a IQ Option.

Esse tipo de instrumento é indicado para quem está pensando em fazer trading com maior frequência, pois permite se beneficiar tanto com a subida como com a descida do preço do ouro.

No entanto, não recomendamos que faça negociação de ouro puramente com CFDs. Por exemplo, em corretoras como a eToro, tal como mostramos, pode optar por abrir uma posição de compra sem qualquer comissão, pois investe diretamente no ETF.

Ou seja:

Nesse caso, negociar ouro através de CFDs seria uma oportunidade perdida, já que teria custos mais altos. Utilize esse instrumento só se quiser ganhar com a queda do preço do ouro.

Se for esse o caso, você pode abrir uma posição de venda de qualquer um dos ETFs acima mencionados ou da própria matéria-prima.

Tela de abertura de uma posição de venda de um CFD de ouro.

Ao abrir uma posição de venda, você passa automaticamente a lucrar com a descida do preço do ouro. Para abrir uma posição de venda, fica sempre exposto às comissões inerentes aos CFDs, quer esteja negociando um ETF ou a matéria-prima.

2.4 Contratos Futuros

Tal como os CFDs, são uma solução mais indicada para curto/médio prazo. Os contratos futuros são negociados na B3, a Bolsa de Valores do Brasil. Através das corretoras lá registradas pode encontrar:

  • Lote Padrão de 250g (OZ1D);
  • Lote Fracionário de 10g (OZ2D).

Trata-se de um mercado bastante líquido e mais recomendando a usuários avançados, já que há mais espaço para a especulação de preços.

Um contrato futuro é um acordo entre duas partes para a compra e venda de um determinado bem em uma data a combinar.

Tipicamente é utilizado para gerir o risco de alterações de preço nas matérias-primas, já que ajuda compradores e vendedores a terem um preço acordado previamente sobre uma mercadoria que só será vendida mais tarde.

Nesse caso a custódia do ouro fica por conta das corretoras, sendo que o investidor apenas paga as taxas de corretagem. Investimentos menores do que R$ 20.000 estão isentos de Imposto de Renda.

3. O Que Influencia o Preço do Ouro?

O preço do ouro subiu consideravelmente nos últimos 50 anos, ou seja, desde o desaparecimento do Padrão-ouro, tal como vimos anteriormente.

No contexto atual, existem vários fatores que podem influenciar o valor dessa matéria-prima, mas vale a pena lembrar que, em última análise, todos estão ligados a uma regra-base dos mercados: o preço sobe ou desce de acordo com a lei da oferta e da procura, tal como a maioria dos ativos financeiros.

No seguinte gráfico pode ver a cotação de uma onça de ouro em R$ em tempo real:


Com base na evolução histórica do preço do ouro, é possível observar padrões e listar alguns fatores que têm sido determinantes para influenciar a trajetória do seu valor.

Os comportamentos recentes têm sido mais favoráveis a aumentos de preço, mas é preciso considerar que isso pode mudar. Por isso, fique atento a nossa lista.

3.1 Mineração de ouro

Começamos pela produção, pois é o fator que tem um impacto mais direto na relação oferta/procura.

Se a mineração de ouro não estiver dando resultados, vai entrar menos ouro novo no mercado e, por isso, o preço tenderá a subir devido à escassez desse bem. Alguns dos países com mais força no campo da mineração de ouro são:

  • China;
  • África do Sul;
  • Estados Unidos;
  • Austrália;
  • Rússia;
  • Perú.

Das 2.400 toneladas mineradas em 2010, a mineração mundial subiu para 3.500 toneladas em 2018. No entanto, atualmente a mineração de ouro passa por um período de alguma estagnação, já que mantém os mesmos valores desde 2016.

mina de ouro
Olimpiada, na Rússia, uma das maiores minas de ouro do mundo.

A maior parte do ouro fácil de extrair já foi minerado. Neste momento são necessários sistemas de mineração mais complexos, o que significa um maior risco para os trabalhadores. Tudo isso resulta em custos maiores, o que faz subir o preço do ouro.

3.2 Produção industrial

O ramo das joias é um dos principais destinos do ouro minerado. Na realidade, representa metade de todo o ouro minerado anualmente. Índia, China e Estados Unidos são os principais consumidores desses bens.

Mas a indústria da joalheira não é a única responsável pela aquisição de ouro. O campo da tecnologia, através da utilização de certos componentes em ouro, também tem aproveitado essa obra-prima, tal como a indústria médica.

ouro joalheria investir
Peças de ouro são produzidas em diversos formatos e feitios.

Também aqui se aplica a lei da oferta e da procura. Se houver uma maior procura por bens baseados em ouro, é natural que o preço suba também.

3.3 Refúgio contra a incerteza

Nada mais fácil do que olhar para exemplos recentes. O preço do ouro disparou em 2008, na sequência da crise econômica mundial, e voltou a subir no arranque de 2020, devido ao surto do novo coronavírus.

O que é que esses dois eventos têm em comum?

Isto mesmo: geram incerteza na população. O ouro tem sido visto ao longo das gerações como um ativo de proteção contra períodos de incerteza.

Por quê?

Precisamente porque, tal como vimos anteriormente neste artigo, o ouro é um ativo valorizado há milhares de anos.

As pessoas nunca deixaram de reconhecer seu valor e, muito provavelmente, nunca deixarão. Seja em períodos de guerra ou de instabilidade econômica/política, o ouro é o ativo de refúgio preferido de muitos investidores.

3.4 Reservas de ouro estatais

Já viu a terceira temporada da série La Casa de Papel, na Netflix? Reparou bem na quantidade de barras de ouro que estavam no cofre do Banco de Espanha?

A realidade não é muito longe daquilo. Para se ter uma noção, de acordo com a Bloomberg, os países de todo o mundo compraram 651 toneladas de ouro em 2018. E, no ano passado, os Estados Unidos, com mais de 8 mil toneladas de ouro em reserva, encabeçava o Top 10 mundial:

reservas de ouro por país
Reservas de ouro por país. Fonte: Trendingeconomics

Quanto ao Brasil, de acordo com o World Gold Council, aparece por volta da posição 42, com reservas de ouro no total de 67 toneladas.

3.5 Procura por investimentos em ouro

A procura crescente por investimentos em ouro também contribui para o aumento do seu preço. Cada vez há mais investidores que procuram fundos de investimento (ETFs) detentores de ouro ou responsáveis por empresas de mineração.

Ao investir em um fundo pode tornar-se, inclusive, detentor do ouro através de ações emitidas pelo fundo responsável. Uma vez que são investimentos associados diretamente à matéria-prima, o aumento da procura significa também um aumento do preço do ouro.

4. Vale a Pena Investir em Ouro?

Como já deve ter percebido, o metal dourado tem uma série de particularidades que o tornam um investimento atrativo.

O ouro não é o único metal negociado nos mercados, mas é certamente o mais popular. Além do ouro, entram ainda para a lista de metais negociados nos mercados financeiros:

  • Prata;
  • Cobre;
  • Platina;
  • Alumínio;
  • Aço;
  • Urânio.

Os últimos 4 são definitivamente opções mais exóticas de investimento, sendo que os mais comuns e fáceis de encontrar serão, claro, o ouro e a prata.

Há vários motivos que podem levá-lo a investir em ouro. Não é por acaso que o bilionário investidor Ray Dalio defendeu no seu recente texto «Paradigm Shifts» a compra do metal dourado:

“Acredito que seria favorável à redução de risco e à geração de retornos considerar adicionar ouro ao seu portfólio de investimentos.”

Ray Dalio, Fundador da Bridgewater Associates

Olhamos, por isso, para algumas razões pelas quais vale a pena considerar adicionar ouro ao seu portfólio de investimentos.

4.1 Diversificação de portfólio

Provavelmente já ouviu a velha máxima nunca colocar os ovos todos no mesmo cesto”.

É precisamente disso que trata este ponto. Diversificar o seu portfólio é a melhor forma de garantir que não está muito exposto a um determinado ativo.

No caso do ouro, podemos afirmar que tem tido uma correlação negativa com as ações no passado. Vejamos:

  • Os anos 70 foram bons para o ouro, mas maus para as ações;
  • Entre os anos 80 e 90 as ações tiverem um excelente desempenho e o ouro caiu;
  • Em 2008 a crise financeira fez cair as ações e o ouro subiu de preço.

Já deve ter percebido a ideia:

Se combinar no seu portfólio esses dois ativos estará mais protegido contra a volatilidade de ambos, já que, a julgar pelo passado, o mau desempenho de um tende a ser compensado pelo outro.

4.2 Segurança

Não existem investimentos seguros.

Mas existem uns mais seguros do que os outros. Se analisarmos o histórico de comportamento do ouro ao longo dos anos e o papel que desempenhou ao longo da história da humanidade, veremos que é um ativo consideravelmente seguro.

É por isso que, como vimos, não só em tempos de incerteza econômica, mas também de incerteza geopolítica as pessoas tendem a virar-se para o ouro.

É quase um comportamento natural, justificado pela relevância desse ativo ao longo de milhares de anos.

4.3 Proteção contra a inflação

Muitos investidores defendem que o ouro é uma forma de proteção contra a inflação, já que o seu preço tende a acompanhar a subida do custo de vida.

Ou seja, se houver um aumento dos preços, o ouro acompanha esse aumento, enquanto o dinheiro perde valor. É um exemplo de correlação positiva.

A gente teve um exemplo disso aqui no Brasil!

Entre 1980 e 2000 foi registrada uma inflação média anual de 69,89% que ficou conhecida como a Hiperinflação do Brasil. No seu expoente máximo, chegou mesmo a ultrapassar os 235% em 1985.

dinheiro em reais
Hiperinflação provoca desvalorização da moeda.

Durante esses anos, o ouro até perdeu algum valor nos mercados globais, mas nada que se comparasse com a desvalorização do valor da moeda brasileira provocada pela hiperinflação.

Ou seja, mesmo sem valorizar, para alguns investidores o ouro serviu como amortização contra a queda acentuada da moeda brasileira, que nesse período teve um dos piores desempenhos na sua história.

4.4 Proteção contra a deflação

A deflação é uma queda generalizada dos preços. É um dos pesadelos dos Bancos Centrais.

A teoria diz que em um ciclo deflacionário as pessoas começam a adiar decisões de compra na esperança que os preços continuem a cair, o que, inevitavelmente, acaba por parar a Economia.

Felizmente não existem muitos exemplos de deflações na história, sendo o mais relevante e verdadeiramente grave o da Grande Depressão dos anos 30.

O que acontece é que, nessa expectativa de descida contínua dos preços, a população opta por guardar continuamente o dinheiro.

De fato, durante a Grande Depressão as pessoas acumularam mais ouro, mas também é preciso lembrar que, na altura, vigorava o Padrão-ouro e, por isso, ouro era equivalente a dinheiro. É por isso que algumas teorias defendem que, no caso de uma nova deflação, seria incerta a repetição desse comportamento.

4.5 Força em relação ao Dólar

Da mesma forma que os países optam por guardar reservas de ouro, também o fazem na forma de moeda estrangeira. O dólar, por ser uma das moedas mais fortes, é uma das principais moedas utilizadas como reserva soberana.

E, da mesma forma que é a escolha de muitos países, também é detido por investidores de todo o mundo, principalmente aqueles que operam no mercado cambial.

Ainda assim, naturalmente, o dólar não está livre de quedas e, nesses momentos, têm existido indícios de uma correlação negativa entre os dois, semelhante ao que acontece no caso das ações. Ora veja-se:

  • Queda do dólar entre 1998 e 2008 coincidiu com a subida do preço do ouro, que ultrapassou pela primeira vez a barreira dos R$ 5.000 por onça;
  • Crise econômica a partir de 2008 voltou a fazer disparar o preço do ouro, que se aproximou dos R$ 10.000.

Por todos esses motivos, vale a pena ficar bem atento ao comportamento do ouro, pois pode ser um ativo muito importante na altura de melhor gerir a sua carteira de investimentos.

5. Problemas de Investir em Ouro

Podemos concluir que tudo é bom no ouro?

É claro que não.

O ouro pode apresentar padrões de comportamento que o tornam um investimento mais seguro e estável do que outros ativos. Mas também são esses mesmos padrões que nos dizem que devemos ser comedidos quando pensamos na valorização potencial desse ativo.

Se pensar, por exemplo, em investimentos com criptomoedas, é natural que os investidores esperem retornos muito maiores.

Afinal o Bitcoin valorizou de centavos para milhares de Reais em poucos anos. No entanto, também é um ativo com maior risco devido à volatilidade – da mesma forma que subiu muito, também pode cair rapidamente.

Já o ouro não é expectável que desça facilmente, pois é pouco volátil. Por outro lado, também não espere ficar rico do dia para a noite a investir em ouro.

Essa matéria-prima já está em circulação desde o tempo do Antigo Egito e, caso o seu preço subisse de forma constante, já teria um valor infinitamente maior

Alguns investidores desconfiam do valor dos investimentos em ouro pelo simples fato de esse não ser consumido. Ou seja, a tendência é para que, pelo menos enquanto existir ouro para minerar, exista sempre mais ouro e não menos.

Isso acontece porque, por muito que as pessoas possam comprar ouro na forma de barras, jóias ou qualquer outro objeto, ele continuará sempre a existir e poderá ser mais tarde vendido.

Um exemplo clássico de aversão a investimentos em ouro é o do magnata norte-americano Warren Buffet, que se recusa a investir em ouro por dois motivos: baixos retornos e falta de utilidade.

“Você pode acariciar o ouro, mas ele não vai responder.”

Warren Buffet, Investidor norte-americano

Essa frase é o resultado de uma regra básica aplicada por Warren Buffet: apenas investir em coisas que tenham alguma utilidade.

Mas isso significa que o milionário investidor não gosta de metais preciosos? Pelo contrário. Warren Buffet tem mais de US$ 1 bilhão investidos em prata.

Warren Buffet não investe em ouro.

É que esse metal é muito mais utilizado do que o ouro na medicina, em componentes eletrônicos e até para purificar água. Ou seja, é muito mais consumido do que o ouro.

Porém, embora Warren Buffet tenha razão, vamos relembrar que o principal objetivo do milionário é maximizar retornos. O ouro, como já vimos, pode ter muitas outras utilidades no seu portfólio caso saiba tirar proveito dele.

6. Conclusão

Vantagens
  • Reserva de Valor
  • Ativo de Refúgio
  • Baixa Volatilidade
  • Proteção Contra Inflação
  • Várias Opções de Investimento
Desvantagens
  • Baixos Retornos
  • Acumulação Crescente

Como já deve ter percebido, o ouro tem uma importância tremenda no mundo dos investimentos. Investir em ouro é muito mais do que deter apenas esse ativo e esperar que dê retorno.

É também alargar as suas opções ao mesmo tempo que confere uma maior proteção ao seu portfólio. É perceber melhor o mercado como um todo.

O preço do ouro está correlacionado com outros ativos de uma importância extrema, como é o caso do mercado das ações ou o valor das moedas fiduciárias.

Ao estudar o comportamento do ouro ficará também com informações relevantes para melhor se aproveitar de outros investimentos que possa ter.

Olhando de uma perspectiva histórica, o ouro é há milhares de anos apreciado pela sociedade e isso também tem um peso.

Por mais irracional que pareça, há algo além de sua cotação que nos liga ao ouro. Há um culto do ouro que nos faz acreditar que não falamos de uma moda, mas sim de algo que dificilmente irá desaparecer.

Cabe a cada um perceber como é que o ouro pode lhe ajudar nos seus investimentos, seja como proteção, como reserva de valor ou, simplesmente, para fins informativos através do seu estudo.

Se estiver no mundo dos investimentos, esse é um daqueles casos em que fazer parte desse mercado, seja de que forma for, certamente lhe trará mais do que o ficar de fora. Porque, no limite, informação também é uma arma – e uma arma muito importante.

Autor
Lucas Lynch
Lucas Lynch

Lucas é um apaixonado pelos mercados financeiros desde que se lembra. Mas a crise de 2008 ajudou-o a perceber como eles podem ser implacáveis para quem não tem um portfólio diversificado. Por isso se forçou para aprender sobre novos mercado. É particularmente fã de Tecnologia e da forma como ela está mudando os investimentos.

Dúvidas Frequentes

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *